segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Ecos

Palavras e sons

sementes e frutos.

Humanos a esmo

pequenos eunucos

que plantam e colhem

a vida voraz

que vivem e morrem

em guerra e em paz.


Na roda gigante

valsa do tempo

formigas famintas

buscando alimento

barrigas vazias

a todo momento

almas sedentas

feliz sofrimento.


Homens humanos

persas espartanos

russos americanos

indus e ciganos

incas cubanos

fulanos ciclanos

tantos e tantos!

ledos enganos.


Sois simples joguetes.

Complexos inventos

pra lua foguetes

mas sarnas nos becos.

Incapazes

alternativas ineficazes.

Indigentes.

Sois simples joguetes.


São apenas gerados

espontânea vontade.

São santos louvados

santa entidade

Papas paparicados

aparente verdade.

O pecado é perene

a ciência é vaidade.


Sou simples joguete

com letras na mão

estilhaços de alma

buscando o chão.

Anônimo operário

sequer feio ou bonito

preocupado com horário

me lembrando do infinito

...

4 comentários:

  1. Fábio Fernandes: O poeta das redondilhas!

    ResponderExcluir
  2. Você me surpreende... é muito bom nisso!Que orgulho de vc hehehe

    ResponderExcluir
  3. Realmente, você é muito bom nisso!
    Bjos

    ResponderExcluir